Around the World

Travel Fail: How to waste 13 hours of your life

Each trip is a new experience and a lesson learned. Sadly, not all experiences are good but they are definitely a lesson learned.

Each trip is a new experience and a lesson learned. Sadly, not all experiences are good but they are definitely a lesson learned.


Today’s story is about a trip, one that seemed a pretty regular one. In hindsight, I now see it was doomed from the start…

It all began when I decided to go back home and visit my family back in Brazil. I hadn’t been back in probably 10 years after I left, so a visit was way overdue.


I started looking for plane tickets and they were all quite expensive for my pocket at the time. When I was finally giving up, I found one quite cheap, way too cheap.

Mistake number one: Buying a cheap ticket means there is a catch. There is always a catch.On my way from London to Rio, there was a short flight connection in Fiumicino airport, Rome.

It would be just fine if the airport was operating normally and if it wasn’t so disorganized and busy.
You see, the airport caught on fire not long before I went there, so you can imagine the long lines for security and the entrance for boarding.
Not a single soul could speak a little English, Spanish, or Portuguese, the languages that I can still defend myself, to send me in the right direction, and even if they did, they could care less.


It got to a point where I was walking in circles and was about to miss my flight.
So, I ran as fast as I could, jumped the security line and in front of the officer I started to wave my ticket like crazy saying that I was going to miss my flight. I got in! LOL Just to get stuck in another line, but this time at the boarding gate. At least I had finally found my gate!


I got on the plane and found my seat, next to an elderly lady who enjoyed some chit-chat and a little bragging about how well her daughter was doing. Bla bla bla. Eventually, the conversation died down and I started watching some movies. All of them.


I can’t sleep on planes; I get too nervous. Besides if the pilot needs me, I have to be awake and ready to help! So does my brain who has been watching way too many movies think. What is this, that when we watch TV, we think we can do the same in real life? We don’t watch movies as entertainment but as survival training.

If the pilot ever needs me, I am sorry folks, we are going down. Still, my brain thinks that it needs to be ready and alert, I stay awake all night like a bat.
I finally got home, visited my family for the first time in ten years. I ate a lot! One day, I’ll write a post about the things you should try when visiting Brazil, I walked around the city and enjoyed my stay. When you don’t visit often your family treats you so well! HA!

It was a nice trip, until the time to head back to London came.
Remember the plane ticket with a catch? On my way to Rio what happened was accidental, you know, the airport caught on fire and all that. On the way back all that happened was a bad idea.


I picked a ticket that had 13-hour wait for my connection flight from guess where? Fiumicino to London.
In my head, I thought: Oh, I can use this time to get on one of those hop-on-hop-off buses and visit Rome.
Yeah… such a bad idea.


Remember that I can’t sleep on planes because the pilot might need me? Remember that I stay awake like a bat for the whole 11-hour flight? Remember, remember? Why don’t I?


I arrived in Fiumicino; I found a kiosk that would help me take me to the hop-on-hop-off bus stop. I entered the bus, and… I fell asleep! I can’t sleep on planes, but I sure can on buses!
People, I could not keep my head up to save my life. I looked like one of those bobblehead dolls. I would take a couple of pictures and my head would fall back.

Then I would wake up with people staring and laughing at me. I was trying so hard to stay awake that I was developing a technique of keeping one eye closed and the other opened. I failed.


In one of my brief moments awake. I decided to hop-off the bus because perhaps movement would make me wake up.


I got off the Fontana di Trevi stop and there I went to see the famous fountain. It was there, under construction and with no water. NOT A DROP.

By the way, not the first time it has happened to me. When I was a kid, I went with my family to visit Itaipú, which is the biggest hydroelectric dam located in the south of Brazil. When we went there was a long drought, so we saw the biggest, tallest drywall of my life.


Also, I am still waiting for the Halley comet to pass. It passed but the night was cloudy, and we couldn’t see anything. I vividly remember telling my mom that I didn’t see anything. There is more, my mom came to visit and the Big Ben was and still is under construction. Geez.

So, I headed back to the airport and my flight took off. All seemed fine.


Mistake number 2 Choosing the wrong travel times.


I arrived in London, safely. But late very late at night. London is a large city however, there are things here that make me sometimes think that I am living in a village and the train and underground schedules are one of them.
Until 2017 (I think), there were no underground stations opened past 1, 1. 30 am if I am not mistaken. Now, some lines are open 24 hours on Fridays and Saturdays and that is pretty much it. For us to get to this point, there were a lot of strikes and negotiations, the night tube was delayed by a couple of years because of so many strikes. Living here is oftentimes difficult, back then, it was hell.


The flight landed at 11 pm in Heathrow by the time I got my bag the underground was already closed. I was living in East London at the time and Heathrow airport was about 2 hours away across the city.
I took 3 buses to get home at night, alone, in London. Ah! You must be asking why you did not call a taxi or friend? I was broke back then that is why and I never really stayed too long anywhere to make friends.

Now, I have been living here for a while, but this is also a city where people come in and out a lot. As soon as you meet someone pleasant, they leave. That’s life for you.


The lessons I take from this are, don’t fall asleep in public, there is always a catch if the flights are too cheap, pay attention to the flights’ schedules, call an Uber every once in a while, go home more often, and if the pilot ever needs you pretend you are asleep.


Failing is an inevitable part of life, but you can take it as a lesson learned and an opportunity for growth. Travel and translation planning have so much in common, the experience gained over the years turns into a better perspective on how to approach planning.

If you are trying to reach a new market, but you have no idea how, come and talk to us, we are happy to assist you to reach your goals.

We Believe in Partnerships

Que fiasco: Como desperdiçar 13 horas de sua vida

Cada viagem é uma nova experiência e uma lição aprendida. Infelizmente, nem todas as experiências são boas, mas são definitivamente uma lição que eu não vou esquecer.


A história de hoje é sobre uma viagem, uma viagem que parecia ser bastante normal. Em retrospectiva, eu vejo que ela estava condenada desde o início.
Tudo começou quando eu decidi voltar para casa e visitar minha família no Brasil. Eu não voltei para uma visita desde que sai há provavelmente 10 anos, uma visita estava pra lá de atrasada.

Comecei a procurar por passagens de avião e todas elas eram bastante caras para o meu bolso na época. Quando finalmente desisti, encontrei uma bem barata, barata demais.
Erro número um: Comprar um bilhete barato quer dizer que aí tem. Sempre tem.
No meu caminho de Londres para o Rio, havia uma conexão de voo curta no aeroporto de Fiumicino, em Roma.
Seria ótimo se o aeroporto estivesse operando normalmente e se não estivesse tão desorganizado e ocupado.
Olha só, aeroporto pegou fogo não muito antes de eu ir para lá, então você pode imaginar as longas filas para passar pela segurança e a entrada para embarque.


Nem uma única alma conseguia falar um pouco de inglês, espanhol ou português, os idiomas que ainda posso me defender, para me mandar na direção certa, e mesmo falassem, não poderiam ter se importado menos.
Cheguei a um ponto em que eu andava em círculos e estava prestes a perder meu voo. Então, corri o mais rápido que pude, pulei a linha de segurança e na frente do oficial comecei a acenar meu bilhete como uma doida dizendo que ia perder meu voo. Eu entrei! KKK. Só para ficar presa em outra fila, mas desta vez no portão de embarque. Ao menos eu tinha finalmente encontrado meu portão!


Entrei no avião e encontrei meu assento, ao lado de uma senhora idosa que gostava de conversar e de se gabar de como sua filha estava indo bem. Blá blá blá. Por fim, a conversa acabou e eu comecei a ver alguns filmes. Todos eles.
Eu não consigo dormir em aviões; fico muito nervosa. Além disso, se o piloto precisar de mim, eu tenho que estar acordada e pronta para ajudar! É assim que pensa o meu cérebro besta, que tem assistido filmes demais. O que é isto, que quando vemos televisão, pensamos que podemos fazer o mesmo na vida real? Não assistimos a filmes como entretenimento, mas como treinamento de sobrevivência na selva.


Se o piloto alguma vez precisar de mim, sinto muito pessoas mas vamos cair. Ainda assim, meu cérebro pensa que precisa estar pronto e alerta, eu fico acordada a noite toda como um morcego.
Finalmente cheguei em casa, visitei minha família pela primeira vez em dez anos. Eu comi muito! Um dia, quem sabe faço uma postagem sobre as coisas que você deve provar quando visitar o Brasil. Andei pela cidade e aproveitei minha estadia. Quando você não visita com frequência, sua família o trata tão bem! Rsrs!

Foi uma viagem ótima, até que chegou a hora de voltar à Londres.
Lembra do bilhete de avião barato? No meu caminho para o Rio o que aconteceu foi acidental, o aeroporto pegou fogo e tudo isso. No caminho de volta, tudo o que aconteceu foi uma péssima ideia.


Escolhi um bilhete que tinha uma espera de 13 horas para meu voo de conexão de advinha onde? De Fiumicino para Londres.
Na minha cabeça, eu pensei: Ah, eu posso usar esse tempo para entrar em um daqueles ônibus de passeio turístico e visitar Roma.
Sim… que ideia…


Lembra que eu não consigo dormir em aviões porque o piloto pode precisar de mim? Lembra que eu fico acordada como um morcego durante todo o voo de 11 horas? Lembra, lembra? E por que eu não?
Cheguei em Fiumicino; encontrei um quiosque que me levaria até a parada de ônibus do passeio turístico. Entrei no ônibus, e… dormi! Não consigo dormir em aviões, mas com certeza consigo em ônibus!


Gente, não consegui manter a cabeça erguida nem para salvar minha vida. Parecia um daqueles bonecos do posto. Eu tirava umas fotos e minha cabeça caía para trás.

Depois acordava com as pessoas me encarando e rindo de mim. Eu tentei tanto ficar acordada que desenvolvia uma técnica de manter um olho fechado e o outro aberto. Eu falhei.


Em um dos meus breves momentos acordada. Decidi saltar do ônibus porque talvez o movimento me fizesse acordar.

Desci da parada da Fontana di Trevi e lá fui eu ver a famosa fonte. Ela estava ali, em construção e sem água. NEM UMA GOTA.

A propósito, não é a primeira vez que isso me acontece. Quando eu era criança, fui com minha família visitar Itaipu, que é a maior represa hidrelétrica localizada no sul do Brasil. Quando fomos lá havia uma longa seca, então vimos o maior e mais alta parede seca da minha vida.

Além disso, ainda estou esperando o cometa Halley passar. Passou, mas a noite estava nublada e não podíamos ver nada. Lembro muito bem de dizer à minha mãe que não tinha visto nada. E tem mais, minha mãe veio me visitar em Londres e o Big Ben estava e ainda está em construção. Eita.

Então, eu voltei para o aeroporto e meu voo decolou. Tudo parecia bem.

Erro número 2 Escolher o horário de viagem errados.

Cheguei em Londres, em segurança. Mas tarde, muito tarde da noite. Londres é uma cidade grande, mas, tem coisas aqui que me fazem pensar que estou vivendo em uma vila e os horários do trem e do metrô são uma delas.

Até 2017 (acho), não havia estações de metrô abertas depois de 1, 1:30 da manhã, se não estou enganada. Agora, algumas linhas estão abertas 24 horas às sextas-feiras e aos sábados e é basicamente isso. Para chegarmos a este ponto, houve muitas greves e negociações, o metrô noturno foi atrasado por alguns anos por causa de tantas greves. Viver aqui é muitas vezes difícil, naquela época, era um inferno.

O voo pousou às 23h em Heathrow até pegar a minha mala, o metrô já estava fechado. Eu estava morando no leste de Londres na época e o aeroporto de Heathrow estava a cerca de 2 horas de distância pela cidade.

Peguei 3 ônibus para chegar em casa à noite, sozinha, em Londres. Ah! Você deve estar perguntando por que não chamou um táxi ou um amigo? Eu estava quebrada naquela época também nunca fiquei muito tempo em nenhum lugar para fazer amigos. Agora moro aqui há algum tempo, mas esta também é uma cidade onde as pessoas estão de passagem. Assim que você encontra alguém agradável, elas vão embora. A vida como ela é.

As lições que tiro disto são: não durma em público, tem sempre um porém se os voos forem muito baratos, preste atenção nos horários dos voos, ligue para um Uber de vez em quando, vá para casa mais vezes, e se o piloto alguma vez precisar de você, finja que você está dormindo.

Falhar é uma parte inevitável da vida, mas você pode tomar isso como uma lição aprendida e uma oportunidade de crescimento. O planejamento de viagens e traduções tem tanto em comum, que a experiência adquirida ao longo dos anos se transforma em uma melhor perspectiva de como abordar o planejamento.

Se você está tentando alcançar um novo mercado, mas não tem ideia de como, venha e fale conosco, estamos ansiosos em ajudá-lo(a) a alcançar seus objetivos.

Acreditamos em parcerias

%d bloggers like this: