Around the World

Loose yourself in Tokyo

Last updated: March/2021

6 amazing days in Tokyo

In 2018 (yes, I know this post is long overdue. But to be fair, I never thought I was going to start a blog EVER). Anyway… I had quite a busy year, I went back to school for a Masters and quit an unfulfilling job to start a new journey. By the end of the year, I had only 6 days left of holidays, so I thought to myself: This year was intense, what can I do to finish the year with a bang?


TOKYO! And in 6 days I enjoyed all the cliché things the city had to offer.
To be honest, I don’t recommend going for just 6 days in Tokyo. Japan is not necessarily around the corner, for me at least. Do I regret it? Not one bit. I still mention this trip every chance I get.

When you don’t have much time to explore the city you need to be a bit smart with your planning so you can make the most with the very little time you have.


In my case, I wanted to see what I heard about the Orient. I wanted the cliché, the touristy stuff I heard about Japan, so next time, and there will be another one, I can explore the country and hopefully, see how Japan really is.

To my disappointment, I haven’t really seen anything odd. Quite frankly, I saw stranger things in Camden Town in London than in Tokyo.

The strangest thing to me was the toilets. When I got home and saw my pictures, there were quite a few pictures of toilets and I still can’t figure out why there were urinals in the women’s toilets. I think some questions in life will go unanswered…

Below, you can see a demonstration of my fascination with the subject.

Now, that I made the whole of Japan roll their eyes with my ignorance, I will tell you what was my choice of cliché, touristy, over-the-top things to do in 6 days.

Day one: The Awakening

First thing in the morning, I woke up hit my head on the ceiling of my capsule hotel room, and had breakfast at the closest 7-Eleven. THEY. ARE. EVERYWHERE! I had breakfast 5 of the 6 days in Tokyo, not a complaint though. I was able to find pão de queijo, which is a Brazilian type of cheese bread. I don’t think I have eaten so many in Brazil as I did in Japan.

With my stomach full of cheese and black coffee. I headed to the Tokyo Metropolitan Government Building to enjoy the view of the city. The entrance is free and is way less busy than Sky Tree. That being said, take a look at the website to see if it is open for visitation on the day of you visit.

I then walked around the area aimlessly. I do that all the time, no stress, and let’s see if I can head back to the hotel. I did.

Day Two: The Excitement is Real

When I was doing my research of places to go I found out about Robot Restaurant. Not really sure why it is called a restaurant, it is barely one. You can eat there some mehhh sushi but that is about it.

The excitement is the show they put for gringos like me. OMG my inner child watching those Japanese series like Jaspion and Changeman was screaming. If you are younger than me, those series are all just like the Power Rangers, the formula has never changed. It’s the same since 1900. Nonetheless, I enjoyed all the laser shows, the live drumming, and the fake battles. The cast is so enthusiastic! This is 100% for gringos as the show is, in its majority, in English.

Day Three: The Saga Continues

Day three of my 6 days in Tokyo, was all about walking and getting lost. I took a short train ride to Harajuku, went to Shibuya, and just tried to see all the weirdness of the Harajuku girls and boys. I must have gotten there on their day-off, the strangest person there was me.

I did some shopping as Tokyo is all about shopping apparently, with their 7-floor shopping malls. I also got lost. A lot. A word of advice, Google Maps is not so great in Japan. That thing made me walk in circles for hours when the temple I wanted to visit was LITERALLY behind me. Sadly, I just noticed the second time around. Ah! Eat some waffles in Harajuku, they are amazing!

Day Four: Regretting my Life Decisions. All of them.

I spend the whole day at Disney Tokyo. I never really cared for it as a child. Never really watched any Disney movies. Maybe Bambi and Snow White. Recently, I saw the Lion King, more than 20 years after its first release. It just wasn’t an interest of mine.

Then you grow up and decide to try other things and… you are hooked on Disney magic! I still barely watch the movies, but the park, the atmosphere, the shows, and parades, you can feel the excitement in the air. I have to confess, I cried a little during one of the shows thinking about the year I had and the hope I had for the future.

Then it all went down the drain when on my way out I noticed I had no wifi, and battery on my phone or in the portable charger I bought there.

FYI, there is a good chance your cell phone company does not operate in Japan. You should rent what they call, pocket wifi. Once you rent it, you can pick it up and drop it off at the airport.

Going back into the saga. Needless to say, I was tired of enjoying life all day and lost, very much so. No battery, no wifi, no Japanese. I knew two words in Japanese and I came back home with three. Besides, Disney is freaking far away from civilization. I had only myself and I. This, was my Sparta.

As I did pay some attention to the Brothers Grimm fairy tales as a child. I pulled a Hansel and Gretel and followed my way back. I did not have pebbles or breadcrumbs to follow back to the hotel, so I followed shop stands, just the Lord knows how I made it.

Day Five: My feet hurt my back hurts but the show must go on

This day I took a little lighter as my body was begging me for mercy. Here, I am just giving you a very short version of the things I did. Truth is there was a lot of walking involved and I was tired and in pain, but the show must go on and although exhausted. I was thrilled to be able to be there.

I went to Shinjuku Gyoen National Garden which is an amazing park (the entrance is paid), with a lake, coffee shop, places to rest and admire nature. I admired nature and enjoyed my favorite sport. People watching. Ahhh…. We are all so weird.

After that, I did some more walking around town and ended up in what I assume was the “red-light district”. There were loads of posters of gogo boys half naked on every shop in that area, and I though to myself: Huh.

Day Six: At this point I am doing this for the family

What do you do on your last day in Tokyo? I suppose you lay low a bit, pack your bags, do some shopping near your hotel. But I am not you and I went all in at Comic Con! In the same Disney spirit, I know very little about it but I wanted to have that experience.

My face in every picture I took there was of a broken person.

All in all, I did what I wanted, I visited all places I could in those short days and I have beautiful memories from this trip. But I must say, Tokyo is a large city and I barely scratched the surface. Nonetheless, worth it every cent and all the back pain.

Note to self: Next time, bring a fork.

Lost in Translation? I can help.

Perca-se em Tóquio

Última atualização: março/2021

6 dias incríveis em Tóquio

Em 2018 (sim, eu sei que esta postagem está bem atrasada, mas para ser sincera eu nunca pensei que iria começar um blog NUNCA). De qualquer forma… tive um ano bastante intenso, voltei à escola para um mestrado e larguei um emprego que eu não estava satisfeita para iniciar uma nova jornada. No final do ano, eu tinha apenas 6 dias de férias, então pensei: Este ano foi intenso, o que eu posso fazer para terminar o ano com chave de ouro?

TÓQUIO! E em 6 dias fiz todas as coisas mais clichês que a cidade tinha para oferecer.

Para ser sincera, não recomendo ir a Tóquio por só 6 dias, já que o Japão não está necessariamente ali na esquina, pelo menos para mim. Se me arrependi? Nem um pouco. Ainda conto esta viagem sempre que tenho oportunidade.

Quando você não tem muito tempo para explorar a cidade, você precisa ser um pouco esperto(a) com seu planejamento para que possa aproveitar ao máximo o pouco tempo que tem.

No meu caso, eu queria ver o que ouvi sobre o oriente. Eu queria o clichê, as coisas turísticas que ouvi sobre o Japão, assim da próxima vez, e haverá outra, eu posso explorar o país e, com sorte ver como o Japão realmente é.

Para minha decepção, eu realmente não vi nada de estranho. Muito francamente, vi coisas mais estranhas em Camden Town, em Londres, que em Tóquio.

A coisa mais estranha para mim foram os banheiros. Quando cheguei em casa e vi minhas fotos, tinham tantas fotos de banheiros, mas eu ainda não consegui entender o porquê de tantos urinóis nos banheiros das mulheres. Acho que algumas perguntas na vida não vão ser respondidas.

Abaixo, você pode ver uma demonstração do meu fascínio pelo assunto.

Agora, que fiz todo o Japão revirar os olhos com minha ignorância, vou contar qual foi minha escolha de coisas clichê, turísticas e extravagantes para fazer em 6 dias.

Primeiro dia: O Despertar

Logo pela manhã, acordei, bati a cabeça no teto do meu hotel cápsula e tomei um café da manhã no 7-Eleven mais próximo. ELES. ESTÃO. POR. TODA. PARTE! Tomei café da manhã 5 dos 6 dias lá, mas isso não é uma reclamação. Consegui encontrar pão de queijo lá. Acho que não comi tantos no Brasil como comi no Japão.

Com meu estômago cheio de queijo e café preto. Fui até o Edifício Metropolitano do Governo de Tóquio para curtir a vista da cidade. A entrada é gratuita e é muito menos movimentado que a Sky Tree. Mas dê uma olhada no site para ver se ele está aberto para visitação na época que você for visitar.

Depois andei por lá área sem rumo. Faço isso o tempo todo, sem muitos planos, e vamos ver se consigo voltar para o hotel. Consegui.

Segundo dia: A empolgação é real

Quando eu estava fazendo minha pesquisa de lugares para ir, descobri o Robot Restaurant. Não sei bem por que se chama restaurante, mal é um. Você pode comer lá um sushi mais ou menos, mas é só isso.

A empolgação é o show que eles fazem para gringos como eu. Noossaa a criança dentro de mim assistindo aquelas séries japonesas como Jaspion e Changeman estava gritando. Se você é mais jovem que eu, essas séries são todas iguais aos Power Rangers, a fórmula nunca mudou, é a mesma desde o tempo do império.

Mas eu gostei de todos os shows de laser, dos tambores ao vivo, e das batalhas falsas. O elenco é tão entusiasmado! Isto é 100% para os gringos, já que o show é, em sua maioria, em inglês.

Terceiro dia: A Saga Continua

O terceiro dia caminhei e me perdi. Fiz uma viagem curta de trem até Harajuku, fui até Shibuya e tentei ver toda a estranheza das meninas e meninos de Harajuku. Devo ter chegado lá no dia de folga deles, a pessoa mais estranha de lá era eu.

Fiz algumas compras, já que Tóquio aparentemente tem tudo a ver com compras, com seus shoppings de 7 andares e me perdi. Muito. Um conselho, o Google Maps não é tão bom assim no Japão. Esse treco me fez andar em círculos durante horas quando o templo que eu queria visitar estava LITERALMENTE atrás de mim. Infelizmente, só percebi na pela segunda volta. Ah! Coma alguns waffles em Harajuku, eles são incríveis!

Quarto Dia: Lamentando minhas decisões de vida. Todos elas.

Eu passei o dia inteiro na Disney Tóquio. Nunca liguei muito pra isso quando era criança. Nunca assisti realmente a nenhum filme da Disney. Talvez o Bambi e a Branca de Neve. Recentemente, eu vi o Rei Leão, mais de 20 anos após seu primeiro lançamento. Nunca foi algo que me interessasse.

Então você cresce e decide tentar outras coisas e… você está instantaneamente preso na magia da Disney. Eu ainda mal vejo os filmes, mas o parque, a atmosfera, os shows e desfiles, você pode sentir a emoção no ar. Tenho que confessar, chorei um pouco durante um dos shows pensando no ano que tive e na esperança que tinha para o futuro.

Depois tudo foi por água abaixo quando, ao sair, percebi que não tinha wifi, nem bateria no meu telefone ou no carregador portátil que comprei lá.

Só um aviso, tem uma boa chance que a sua empresa de telefonia celular não opere no Japão. Você deveria alugar o que eles chamam, pocket wifi (wifi de bolso). Uma vez alugado, você pode pegá-lo e devolvê-lo no aeroporto.

Voltando para a saga. Não preciso dizer que eu estava cansada de aproveitar a vida o dia inteiro e perdida, muito perdida. Sem bateria, sem wifi, sem japonês. Sabia duas palavras em japonês e voltei para casa com três. Além disso, a Disney está bem longe da civilização. Só tava eu comigo. Essa foi a minha Esparta.

Sorte que prestei atenção aos contos de fadas dos irmãos Grimm quando criança. Eu fiz como João e Maria e segui o caminho de volta, como não tinha pedrinhas ou migalhas de pão para seguir até o hotel, segui as barracas das lojas, só Jesus sabe como eu consegui chegar.

Quinto dia: Meus pés doem, minhas costas doem, mas o show tem que continuar

Neste dia, peguei um pouco mais leve enquanto meu corpo implorava por misericórdia. Aqui, estou apenas contando uma versão muito curta das coisas que fiz. A verdade é que teve muita caminhada e eu estava cansada e com dores, mas o show tem que continuar e, embora exausta eu estava superfeliz de estar lá.

Fui ao Jardim Nacional Shinjuku Gyoen que é um parque incrível (a entrada é paga), com um lago, café, lugares para descansar e admirar a natureza. Admirei a natureza e desfrutei do meu esporte favorito ver gente passando, ahhh…. somos todos tão esquisitos.

Depois disso, fiz mais alguns passeios pela cidade e acabei no que acho que era a “casa da luz vermelha”. Havia muitos cartazes de homens seminus em todas as lojas daquela área. Aí eu pensei comigo: Huh.

Dia Seis: Agora tô fazendo por amor a bandeira

O que você faz em seu último dia em Tóquio? Acho que você reduz o ritmo faz suas malas, faz algumas compras perto de seu hotel. Mas eu não sou você e eu fui com tudo na Comic-Con! Com o mesmo espírito Disney, sei muito pouco sobre isso, mas eu queria ter essa experiência.

Meu rosto em todas as fotos que tirei lá era de morta de cansada.

Na realidade fiz o que quis, visitei todos os lugares que pude nesses poucos dias e tenho lindas lembranças desta viagem. Mas devo dizer que Tóquio é uma cidade enorme e eu mal pude ver um terço dela. Ainda assim, valeu a pena cada centavo e todas as dores nas costas.

Nota mental: na próxima, leve um garfo.

Perdido(a) na comunicação com seus seguidores?

%d bloggers like this: